Header Ads

Pastor acusado de matar filho e enteado é indiciado por mais um estupro



O pastor George Alves, acusado de estuprar, agredir e matar o filho e o enteado vivos no Espírito Santo, foi indiciado por mais um estupro, nesta quarta-feira (4). A informação foi divulgada com exclusividade pela reportagem da TV Gazeta, no Jornal Hoje, desta segunda-feira (9).


Depois da prisão de George, uma mulher procurou a polícia para denunciar o crime que aconteceu em 2015. Inquérito foi encerrado e, agora, o pastor responde por mais um estupro.




Pastor George Alves é indiciado pela morte de irmãos Joaquim e Kauã, em Linhares (Foto: Reprodução/ TV Gazeta)


A defesa diz que a perícia será contestada, que o casal é “vítima de uma tragédia” e que a acusação “usa a mídia” para criar uma “culpa inexistente”.



Veja o que se sabe sobre o incêndio que matou Kauã e Joaquim
Cronologia do caso
VÍDEO: pastor chorou dois dias depois do incêndio




Os irmãos Kauã e Joaquim, de 6 e 3 anos, morreram carbonizados em um incêndio em Linhares, no dia 21 de abril. Para a polícia, George Alves, padrasto de Kauã e pai de Joaquim, foi responsável pelas mortes. Ele foi preso no dia 28 de abril.



Irmãos morreram carbonizados em incêndio em Linhares, ES (Foto: Reprodução/ TV Gazeta)



A perícia apontou que o acusado estuprou as crianças, agrediu e colocou fogo nelas ainda vivas. Inicialmente, o pastor George Alves, que estava sozinho em casa com os meninos, disse que eles morreram em um incêndio que atingiu apenas o quarto onde as vítimas dormiam.


Na primeira entrevista à imprensa, ele chorou e disse que tentou salvar as crianças. Mas, segundo a polícia, a versão dele não estava de acordo com os fatos apurados durante as investigações.


A mãe dos meninos, a pastora Juliana Sales, também foi presa por omissão no caso da morte dos filhos. No dia do incêndio, a mãe disse que estava em um congresso em Minas Gerais com o filho mais novo do casal.



Pastora Juliana Sales Alves presa em Minas Gerais por omissão no caso da morte de filhos em incêndio no Espírito Santo (Foto: Umberto Lemos / InterTV)


Segundo a decisão da Justiça, Juliana sabia dos “supostos abusos sexuais” sofridos pelos filhos e ela e o marido tinham planos de usar a morte das crianças como forma de ganhar notoriedade e ascensão religiosa.


O filho mais novo dos pastores foi entregue ao avô materno depois da prisão dos pais. Ele estava com a mãe no momento da prisão e chegou a ficar no Conselho Tutelar.


Imagens exclusivas


A reportagem da TV Gazeta também conseguiu imagens exclusivas do momento em que o incêndio que matou os irmãos aconteceu. Câmeras de segurança da rua mostram o momento do incêndio tomou conta da casa.



George estava dentro da casa sozinho com Kauã e Joaquim, quando tudo aconteceu, por volta das 2h. Segundo a polícia, George saiu do interior da casa e ficou andando na garagem e no quintal.


O pastor não gritava, não pedia socorro. Testemunhas contaram que só depois que chegaram ao local, porque viram fumaça, é que ele disse que as crianças estavam dentro da casa e precisavam de ajuda.


Populares arrombaram um portão para entrar na casa, mas não adiantou. Os bombeiros chegaram rápido, mas quando chegaram já não dava mais tempo de tirar as crianças.
Pastor acusado de matar filho e enteado é indiciado por mais um estupro Pastor acusado de matar filho e enteado é indiciado por mais um estupro Reviewed by Edivaldo Fogaça on julho 09, 2018 Rating: 5

Nenhum comentário

Recent Posts

Recent